Top 15 para António Morgado no Europeu

Top 15 para António Morgado no Europeu

Dinamarquês Henrik Pedersen venceu a prova de fundo do Europeu. Portugal meteu António Morgado no 14º posto.

A prova de fundo dos sub-23 masculinos teve 136,5km e os primeiros 65km serviram para levar os corredores até ao circuito final. Aí deram cinco voltas (14,3km cada) com meta no Vamberg, colina com 1500m e 4,2% de média.

Fabricado sobre um antigo aterro que se tornou subida de culto nos Países Baixos, o Vamberg é traiçoeiro por incluir uma curta descida e subsequente subida de 10% num setor de 400m de pavé. 

O campeão e o vice-campeão saíram da fuga! Henrik Pedersen surpreendeu o espanhol Ivan Romeo na subida final e levou o título europeu, já na luta pelo bronze foi o francês Paul Magnier que prevaleceu.

Triunfo do atleta da Coloquick – equipa que formou Jonas Vinvegaard – que não fez qualquer resultado relevante em provas internacionais na presente temporada. A Dinamarca não vencia desde que Casper Pedersen (vencedor da Figueira Champions Classic) em 2017. Nessa edição Casper Pedersen bateu Benoit Cosnefroy (campeão mundial nesse ano) e Marc Hirshi (campeão europeu e mundial sub-23 em 2018).

Caótico Vamberg tirou Portugal das medalhas

Desde que Carlos Salgueiro foi 9º no Europeu de Plouay, em 2019, que a seleção nacional tem estado ausente do top 10 na prova de fundo.

António Morgado sabia que o percurso não o favorecia, mas que era mais duro do que o esperado, como contou o vice-campeão mundial sub-23 após o reconhecimento.

Morgado e Gonçalo Tavares estiveram sempre no grupo principal, mas o caótico Vamberg tirou Portugal das medalhas.

“Estava com pernas para ganhar uma medalha, vinha muito bem colocado, mas, a quatro quilómetros da meta, um corredor ucraniano caiu mesmo à minha frente. Desviei-me e, com essa manobra, perdi muitas posições e fiquei quase em último do pelotão.”

António Morgado
Diogo Narciso, João Martins, Gonçalo Tavares e António Morgado representaram Portugal em Drenthe.

Portugal alinhou ainda com João Martins, que caiu no acesso ao circuito, mas concluiu a prova no 98º lugar. Diogo Narciso ficou “cortado” devido a uma queda no pelotão e fechou 94º.

Na prova de fundo dos sub-23 Portugal mantém-se com duas medalhas: a prata de Nélson Oliveira em 2010 e o ouro de Cândido Barbosa em 1996.

Results powered by FirstCycling.com

Noticias relacionadas

Rúben Rodrigues tem segunda oportunidade no ciclismo basco

Rúben Rodrigues tem segunda oportunidade no ciclismo basco

Bicicletas ENVE aterram no World Tour em 2024

Bicicletas ENVE aterram no World Tour em 2024

Três momentos subestimados no ciclismo em 2023

Três momentos subestimados no ciclismo em 2023

Taça do Mundo de Ciclocrosse – Flamanville

Taça do Mundo de Ciclocrosse – Flamanville

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais