Oliveira e Guerreiro são o Yin e o Yang da Movistar

Oliveira e Guerreiro são o Yin e o Yang da Movistar

Portugueses da Movistar preparam 2024. Nélson Oliveira mantém-se ao lado de Enric Mas e Rúben Guerreiro quer recuperar a confiança do início da época passada.

Nélson Oliveira tem 34 anos e uma ligação de longa data à Movistar. Rúben Guerreiro tem 29 e inicia a segunda temporada na estrutura espanhola.

Há uma admiração mútua, mas em termos de personalidade representam o Yin e o Yang, a dualidade, forças complementares segundo a filosofia chinesa. Oliveira é a calma e a ponderação, atua como voz da consciência do explosivo e carismático Guerreiro.

A última época começou forte para o ribatejano Rúben Guerreiro, que entrou na nova equipa vencendo o Saudi Tour. O resto do ano ficou marcado por solidez nas provas de uma semana e lesões no Tour e na Vuelta.

“Em 2024 quero recuperar a confiança porque a última fratura da clavícula – na 4ª etapa da Vuelta – foi mais séria do que parecia e tive mesmo que parar. Só voltei a treinar com a bicicleta em dezembro, portanto começo a temporada sem marcar objetivos a médio prazo. Vamos reavaliando de acordo com as sensações.”

Rúben Guerreiro

Nélson Oliveira não vai correr Figueira Champions Classic

O “Cowboy” arrancará no Tour Down Under, onde em três ocasiões discutiu a Juventude, duas delas fechando top 10 na geral individual.

Mais tradicional será o início de temporada do anadiense. Com muita pena Nélson Oliveira não vai correr a Figueira Champions Classic porque deve estagiar em altitude antes de se apresentar na Volta à Andaluzia. Não obstante, a Movistar confirmou a estreia na corrida figueirense.

“Devo ir para Serra Nevada, mas até ao final do ano ainda vou tentar ir dar uma voltinha pelo percurso na Figueira. Há uma parte que conheço menos bem, onde se fez a estrada nova na pedreira que havia junto ao mar. Lembro-me que antigamente para chegar a Quiaios era preciso subir a serra porque por ali não se passava.”

Nélson Oliveira

Em meados de fevereiro o bloco da Movistar estará em três frentes – Volta à Andaluzia, UAE Tour e Volta à Colômbia. O facto de ser a única equipa espanhola do WorldTour obriga a privilegiar a corrida andaluza pelo que a Volta ao Algarve está descartada.

Estrangeiro com mais épocas ao serviço da Movistar

O TopCycling encontra-se com os portugueses da Movistar enquanto decorre o segundo estágio da época, na Comunidade Valenciana.

No mesmo hotel vemos passar a Groupama-FDJ e a Total Energie, mas na outra ponta de Calpe já vimos no mesmo dia a Lidl-Trek e a DSM. Pelo menos 14 equipas do WorldTour estiveram nesta faixa costeira do Mediterrâneo em dezembro.

A conversa é a três, à noite, após um dia de testes de força para Nélson Oliveira e treino de quase seis horas para Rúben Guerreiro. Pergunto ao atleta de Pegões Velhos pela renovação do amigo Nélson até 2025, que o converterá no estrangeiro com mais épocas ao serviço da Movistar.

“Só o facto de ele cumprir 10 anos na mesma equipa diz tudo. É essencial na equipa. Já o admirava antes de sermos colegas, mas agora ainda o admiro mais”.

Créditos: Cxcling

Cartas aos Reis Magos enviadas

Rúben Guerreiro gostaria de ter a calma e a visão em corrida de Nélson Oliveira. Já o anadiense adoraria ter a explosividade e definição do ribatejano.

Já te disse que tens que estar contente. Conseguiste a vitória no Saudi Tour, depois tiveste um vírus e voltaste forte no Gran Camiño. Mais do que ninguém o Rúben queria que as coisas tivessem sido diferentes nas grandes Voltas, mas ganhar logo no primeiro ano numa equipa é muito difícil e tens que olhar para as coisas boas que fizeste.

A conversa flui. Falamos de 2024, objetivos e ambições. Rúben Guerreiro revela o quanto tem amadurecido.

“Sou um corredor que procura sempre oportunidades e que tem objetivos concretos. No entanto, se numa corrida tiver que trabalhar para o Enric Mas ou para o Nairo Quintana vou deixar tudo na estrada.”

“Já o fizeste este ano. Quando tiveste que trabalhar, trabalhaste”, intervém Nélson Oliveira.

O encontro foi já com muito espirito natalício à mistura, portanto vamos às prendas.

“Desejo que o Nelson ganhe uma medalha num grande campeonato porque já merece.”

“Desejo que o Rúben volte a ganhar uma corrida e tenha maior estabilidade.”

Com as cartas ao Pai Natal e aos Reis Magos enviadas, despedimo-nos. Ambos sobem para o quarto do hotel, há chamadas a fazer para a família. O o Yin e o Yang da Movistar devem procurar juntos o equilíbrio, já que só assim poderão alcançar a harmonia.

Noticias relacionadas

Volta à Suíça – Etapa 5 – Espetáculo de João Almeida

Volta à Suíça – Etapa 5 – Espetáculo de João Almeida

Volta a Portugal 2024 – Já se conhecem as etapas

Volta a Portugal 2024 – Já se conhecem as etapas

Granfondo Portimão 2024 – O ultimo desafio do ano

Granfondo Portimão 2024 – O ultimo desafio do ano

Volta a Suíça – Resumo da Etapa 4

Volta a Suíça – Resumo da Etapa 4

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais