Há duas novas equipas no WorldTour feminino

Há duas novas equipas no WorldTour feminino

AG Insurance-Soudal Quick-Step e WNT-Ceratizit sobem de categoria. Laboral Kutxa fica fora do WorldTour feminino.

Abre-se um novo ciclo de licenças para o UCI WorldTour feminino e para o período 2024-2025 a instituição que rege o ciclismo promoveu ao principal escalão a AG Insurance-Soudal Quick-Step e a WNT-Ceratizit.

O projeto belga começou em 2018 coordenado pelos antigos profissionais Natascha den Ouden e Servais Knaven, que casaram e montaram uma equipa de juniores. Ao casal juntou-se Patrick Lefevere, patrão da Quick-Step masculina, o que permitiu a entrada da AG Insurance e o crescimento de uma estrutura composta por equipa de elites, sub-23 e júniores.

A WNT-Ceratizit prepara-se para celebrar 10 anos de existência em 2024 e logo em grande estilo com a chegada ao WorldTour. Se a AG Insurance foi 11ª no ranking UCI, a estrutura germânica ficou uma posição acima e terminou a época como melhor Continental.

Sem espaço no WorldTour ficou a Laboral Kutxa. A equipa feminina da Fundação Euskadi foi superada pela concorrência no critério desportivo (23ª no ranking UCI). Em 2026 renovam-se as licenças que passam a ser válidas por três, como acontece com as equipas masculinas.

“O Terror de Tashkent City”

Também ficaram definidos os convites para a próxima temporada em termos de grandes provas.

Com a subida à primeira divisão de AG Insurance e WNT, as seguintes melhores Continentais – Cofidis e Tashkent City – foram premiadas com convites para correr os eventos WorldTour.

É chamativo o caso da equipa do Uzbequistão que em 2023 se focou em somar pontos no circuito UCI Ásia já que não tem estrutura que lhe permita fazer a época completa na Europa. A maior ligação da capital do Uzbequistão ao ciclismo data dos anos 90 por via do sprinter Dzhamolidin Abduzhaparov.

“O Terror de Tashkent City” está a viver a St. Michel Auber 93. A equipa francesa tem um projeto sólido e é presença assídua nas maiores provas da época, mas vê-se ultrapassada pela equipa da Ásia Central que foi criada com o objetivo – cumprido – de apurar o país para os Jogos Olímpicos.

A cara mais conhecida da Tashkent City é a russa naturalizada usbeque, Olga Zabelinskaya, que tem três medalhas olímpicas no currículo.

Noticias relacionadas

Todos os olhos no campeonato nacional de ciclismo!

Todos os olhos no campeonato nacional de ciclismo!

Review – Sapatos Trek Velocis: O que dizer após 1000 km’s.

Review – Sapatos Trek Velocis: O que dizer após 1000 km’s.

Johansen vence 8.º Grande Prémio ANICOLOR

Johansen vence 8.º Grande Prémio ANICOLOR

Volta à Suíça, etapa 8 – Dobradinha de João Almeida

Volta à Suíça, etapa 8 – Dobradinha de João Almeida

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais