Exclusivo Topcycling – Rui Costa sai da UAE-Emirates 

Exclusivo Topcycling – Rui Costa sai da UAE-Emirates 

Nove temporadas após entrar na estrutura da Lampre-Merida, Rui Costa sai da UAE-Emirates. O projeto dos Emirados e o campeão mundial de Florença separam os caminhos que se uniram em 2013 quando Rui Costa assinou pela atual estrutura que na altura era da Lampre-Merida.

A transição do campeão mundial de Florença será suave já que se vai manter num projeto de topo internacional.

Quatro cenários para o futuro de Rui Costa

O destino será confirmado quando o mercado de transferências abrir em agosto, mas o TopCycling analisa quatro cenários para o futuro de Rui Costa, um corredor que conta com 14 épocas de experiência no WorldTour, uma mais-valia num pelotão onde as grandes figuras têm um perfil jovem. 

Aos 35 anos – fará 36 em outubro – Rui Costa disputou 14 grandes Voltas e nesse sentido está bem cotado em França, onde tem vitórias no Tour de France, no Critérium du Dauphiné e pódio no Paris-Nice. Onde poderia encaixar o poveiro?

Gonçalo Moreira analisa os cenários mais lógicos. 

Cofidis: equipa história, mas que há mais de uma década não vence uma etapa no Tour de France. Um grande patrocinador, com mercado estratégico em França, Espanha e Portugal. Há não muito tempo já tentou recrutar Rui Costa e poderia juntar o poveiro ao famalicense André Carvalho que tem mais um ano de contrato com a formação de Cedric Vasseur. 

B&B Hotels – KTM: o projeto de Jerôme Pineau está num momento-chave da sua existência; a equipa da Bretanha não acaba de arrancar em termos de resultados desportivos, mas em 2023 vai crescer com a chegada de um patrocinador forte. Para alavancar esse crescimento precisa de corredores como Rui Costa, carismáticos e com qualidades de capitão. 

Movistar Team: seria o fechar com chave de ouro de um ciclo que se abriu em 2009 quando a equipa de Eusebio Unzué recrutou um jovem promissor ao SL Benfica e logo na época de estreia Rui Costa devolveu a confiança vencendo os Quatro Dias de Dunquerque.

Ao todo foram 18 triunfos pela Movistar, incluindo três etapas no Tour de France, duas Voltas à Suíça e a despedida com o título mundial. Voltaria a encontrar Nélson Oliveira, ao lado de quem correu duas épocas na Lampre-Merida. 

EF Education-EasyPost: é uma equipa de portas abertas aos portugueses. Há anos que é a casa do mecânico Jorge Queirós e já contou com André Cardoso e conta com Rúben Guerreiro, que tem mais um ano de contrato. No entanto, o corredor de Pegões Velhos quer liderar e contou ao TopCycling que contempla sair se a equipa não acreditar no seu potencial como líder (ver artigo aqui).

Caso a EF reajuste a hierarquia e dê a Rúben Guerreiro a confiança que este pede, Rui Costa poderia assumir o papel de braço direito e fazer pelo ribatejano o mesmo que fez por João Almeida no passado Giro: transmitir calma, conhecimento e ser o braço direito de um “cowboy” líder.

Por: Gonçalo Moreira

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do TopCycling.pt. Segue-nos nas várias redes sociais Youtube , Instagram , Twitter , e Facebook.

Noticias relacionadas

Mathieu van der Poel contra Wout van Aert, é viver a história do ciclocrosse

Mathieu van der Poel contra Wout van Aert, é viver a história do ciclocrosse

Rubén Guerreiro reina no Saudi Tour

Rubén Guerreiro reina no Saudi Tour

Clímax em Hoogerheide com Van der Poel vs Van Aert

Clímax em Hoogerheide com Van der Poel vs Van Aert

Tom Pidcock escolhe Volta ao Algarve para a estreia na estrada em 2023

Tom Pidcock escolhe Volta ao Algarve para a estreia na estrada em 2023

No Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a Newsletter

* Preenchimento necesssário

Escolha a newslwtter que pretende receber:

Categorias de Artigos