Mathieu van der Poel contra Wout van Aert, é viver a história do ciclocrosse

Mathieu van der Poel contra Wout van Aert, é viver a história do ciclocrosse

Mathieu van der Poel (MVDP) e Wout van Aert (WVA) nasceram a competir um com o outro, se tivessem frequentado a mesma creche, já sprintavam de triciclo para ver quem chegava primeiro ao parque.

Poderia ter acontecido pois têm apenas 4 meses de diferença de idade, Van Aert é de setembro de 1994 e Van der Poel de janeiro de 1995, um é belga, o outro neerlandês mas ambos cresceram na Bélgica.

Não foi assim mas foi parecido, na modalidade que os viu nascer para o ciclismo, o ciclocrosse, competem um contra o outro desde juniores, discutindo títulos corrida após corrida, entre Taça do Mundo, troféu Superprestige, Campeonatos do Mundo e mais recentemente também no ciclismo de estrada.

No total enfrentaram-se quase 200 vezes, no próximo domingo dia 5 de fevereiro de 2023 será mais uma.

Entrando para a história

Para os fãs do ciclocrosse é um privilégio viver numa Era em que podemos ver em ação dois ciclistas assim, é como ver Ronaldo e Messi na mesma Era do futebol. Ter a oportunidade de assistir aos embates entre ambos é viver história! Um dia mais tarde poderemos dizer “Eu lembro-me de assistir ao Campeonato do Mundo de Hoogerheide 2023!”

Antes deles, no ciclocrosse, houve Sven Nys, Neils Albert, entre outros, mas estes dois prodígios não marcam a modalidade só por pelo seu desempenho dentro dos circuitos de ciclocrosse, eles mudaram a industria e o ciclismo.

Foi por eles e pela sua capacidade multidisciplinar (fazer bem ciclocrosse, ciclismo de estrada e também BTT no caso de MVDP) que as equipas começaram a perceber que ao ter ciclistas com estas características, poderiam dar retorno aos patrocinadores não só durante a temporada de estrada mas também no periodo de inverno, quando esta está parada, bem como explorar novo público além do ciclismo de estrada.

Apesar de outros ciclistas como Lars Boom ou Zdenek Stybar também terem feito a transição do ciclocrosse para o ciclismo de estrada, não tiveram o impacto destes dois, não mudaram a industria.

MVDP e WVA mudaram a abordagem ao ciclismo e até a industria! Pelos seus desempenhos na estrada, mais pessoas no mundo começaram a ver ciclocrosse, isto trouxe mais atenção dos media, das televisões e das marcas em geral.

Após eles, vieram Tom Pidcock, Quinten Hermans, Milan Vader, Gianni Vermeersch, Sam Gaze, entre outros. As equipas e os patrocinadores querem comunicar durante todo o ano e a chave está em ter ciclistas multidisciplinares.

As batalhas

Quando Mathieu e Wout estão na linha de partida de uma corrida de ciclocrosse (hoje em dia também na estrada), é muito provável que durante essa corrida venhamos a assistir a um filme com suor, “sangue” e lágrimas, com um drama capaz de igualar os melhores filmes de Hollywood.

É difícil dizer qual o melhor, os Deuses são assim, na verdade nenhum é melhor que o outro, quando ambos estão em forma é uma lotaria prever o final de uma corrida a favor de algum deles.

A história de “amizade” entre ambos começou a escrever-se em 2011, MVDP tinha 16 anos e WVA 17, numa corrida de juniores encontraram-se pela primeira vez em corridas oficiais, venceu Mathieu, Wout terminou 4.º

Deixamos o vídeo da corrida, para os verdadeiros fãs que queiram reviver a primeira vez que MVDP e WVA se encontraram em corridas oficiais (primeiro minuto do vídeo).

Vídeo da primeira corrida oficial com ambos

Nesta mesma temporada de ciclocrosse, em janeiro de 2012 disputavam o primeiro título mundial de ciclocrosse, em juniores, MVDP conquistou o primeiro de muitos títulos que haveriam de chegar com o passar dos anos, WVA terminou segundo, festejando ainda assim de braços no ar, a sua medalha de prata num Campeonato do Mundo.

Vídeo do primeiro campeonato do mundo com ambos

A partir daqui as estatísticas gerais são claramente favoráveis a MVDP no ciclocrosse, das 179 vezes que se enfrentaram, Mathieu terminou 119 vezes na frente de Wout, enquanto que Wout conseguiu superar por 60 vezes Mathieu.

Apesar disto, o número de títulos mundiais é parecido, no total MVDP tem 6 títulos mundiais de ciclocrosse, enquanto que WVA tem 4 (incluindo todas as categorias).

Particularidades de Hoogerheide 2014 e Valkenburg 2018

Não vou assinalar todas as corridas porque haveria assunto para um livro, vou falar-vos de duas por terem algumas semelhanças com o que vamos viver este domingo.

Hoogerheide 2014 – Jovem Wout demolidor na casa do rival

Temporada 2013 – 2014, nos últimos Campeonatos do Mundo realizados neste local até este ano, Hoogerheide 2014 com MVDP e WVA na linha de partida. O circuito de Hoogerheide é a casa dos van der Poel, Adrie van der Poel, pai de MVDP, é quem desenhou o traçado.

O enquadramento era parecido, MVDP corria em casa , disputava-se o título mundial de Sub-23 mas WVA não deu hipótese, venceu com superioridade e MVDP teve que se contentar com o lugar mais baixo do pódio. Michael Van Vanthourenhout arrecadou a medalha de prata nesse ano.

Este é o título que ficará a faltar na carreira de ciclocrosse MVDP, foi Campeão do Mundo em juniores e Elites.

Vídeo de corrida de Hoogerheide 2014

Valkenburg 2018 – Desfecho contra todas as previsões

Apesar de não se iniciado a presente temporada de ciclocrosse numa forma tão afinada como na temporada passada (na qual venceu todas as corridas onde participou com superioridade), WVA conseguiu vencer mais vezes que MVDP, pelo que muitos lhe apontam algum favoritismo para o Campeonato do Mundo de 2023.

Algo parecido se passou na temporada 2017-2018, onde MVDP foi dominador, vencendo grande parte das corridas da temporada.

Em 28 corridas nessa temporada MVDP terminou na frente de WVA por 22 vezes (desempenho assinalável). No dia do Campeonato do Mundo em Valkenburg todos apontavam um natural favoritismo a Mathieu, que poderia vencer nesse ano o segundo título mundial de ciclocrosse como elite, mas a realidade foi diferente das previsões.

Apesar da superioridade do seu rival durante a temporada, WVA apresentou-se concentrado e consistente, enquanto MVDP teve um dia menos bom, cometeu erros e mentalmente não parecia concentrado. WVA conseguiu o seu terceiro e ultimo título mundial (em elites) de ciclocrosse até aos dias de hoje.

MVDP terminou com uma “amarga” medalha de bronze, suspirando e controlando as lágrimas durante a cerimónia do pódio.

Vídeo de Valkenburg 2018

Conta Neils Albert (um histórico da modalidade que se tornou responsável de performance de WVA e outros atletas quando terminou a carreira), que na semana antes do Campeonato do Mundo de Valkenburg fizeram um grande trabalho mental com WVA, levando-o a creditar que era possível vencer naquele dia. Wout ganhou força mental de tal forma que no “dia D” escreveu a história a seu favor, contra todas as previsões naquele ano.

A história é contada neste vídeo interessante de Jeremy Powers (ex-crossista e atual apresentador do GCN), no qual visitam a loja de “King Albert” e abordam este e outros episódios históricos do ciclocrosse.

Vídeo

Depois de 2018, Mathieu van der Poel venceu 3 títulos mundiais, tem 4 no total, enquanto Wout van Aert tem 3 (em elites).

Podemos constatar por esta história que independentemente do domínio de um ou de outro durante a temporada, no dia do Campeonato do Mundo tudo pode acontecer.

Poderá Mathieu van der Poel conquistar o seu 5.º título mundial e alargar a vantagem nestes números para o seu rival, ou irá Wout van Aert igualar o número de títulos mundiais de Mathieu van der Poel?

Na minha opinião MVDP apresentou-se melhor fisicamente que WVA este ano, as corridas que perdeu foi por ter cometido erros e porque WVA soube aproveitar Tom Pidcock para fechar espaços em algumas corridas.

Os prognósticos não valem de muito depois das corridas, apesar de ser algo imprevisível, acredito e arrisco a dizer que Mathieu van der Poel será Campeão do Mundo.

Perdoem-me se não refiro a fantástica temporada de Laurens Sweeck, que após ter saído da equipa Pauwels (na qual tinha que trabalhar para outros) venceu a geral da Taça do Mundo, ou dos habituais Michael Vanthourenhout, Eli Iserbyt e Lars van der Haar que também têm feito uma temporada notável, mas só se algo de anormal acontecer a corrida não será disputada pelos dois prodígios.

A resposta será dada no domingo, dia 5 de fevereiro de 2023 pelas 13:45 no Eurosport 2, esperamos por vocês.

Por: Luís Beltrão

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do TopCycling.pt. Segue-nos nas várias redes sociais YoutubeInstagramTwitter e Facebook.

Noticias relacionadas

Omloop Het Nieuwsblad marca o arranque das clássicas – Antevisão

Omloop Het Nieuwsblad marca o arranque das clássicas – Antevisão

BTT – XCO Banyoles volta a reunir os melhores do mundo

BTT – XCO Banyoles volta a reunir os melhores do mundo

Jonas Vingegaard versão 2024 – Inicia temporada esta semana

Jonas Vingegaard versão 2024 – Inicia temporada esta semana

Cinco talentos made in Portugal

Cinco talentos made in Portugal

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais