Paris – Roubaix 2023, o resumo e classificações

Paris – Roubaix 2023, o resumo e classificações

A Paris – Roubaix é das corridas mais imprevisíveis do ciclismo, não obstante haver favoritos a dureza dos mais de 250 km’s. e dos sectores de empedrado, torna “o inferno do norte” uma lotaria na qual o máximo favorito pode ficar afastado da vitória numa fração de segundo.

Ainda assim, como em todas as corridas há favoritos, no nosso artigo prévio à corrida ( Guia do Inferno do Norte) apontámos alguns, entre eles os aqueles que todos esperavam ver discutir a corrida, Wou van Aert e Mathieu van der Poel.

Jumbo-Visma assume a corrida

A poderosa equipa da Jumbo-Visma agarrou na corrida desde cedo e apesar de alguns azares, Wout van Art partiu a corrida quando ainda faltavam 103 quilómetros para o final, no sector 20 (Haveluy to Wallers) o Belga meteu mais Watts e apenas conseguiram seguir na roda John Degenkolb , Christophe Laporte , Van der Poel, Stefan Küng e Mihkels. 

Créditos imagem: Corvos

Não demorou muito até este grupo alcançar a fuga que seguia na frente, enquanto o pelotão ficou a 40 segundos deste grupo num curto espaço de quilómetros.

No sector seguinte, o mítico Trouée d’Arenberg houve queda no pelotão, após a qual acabou por se formar um grupo com Mads Pedersen, Filippo Ganna , Max Walscheid , Laurenz Rex , Gianni Vermeersch e Jasper Philipsen.

Créditos: A.S.O. Pauline Ballet

Christophe Laporte (Jumbo-Visma) acabaria por furar e no grupo da frente passava a reinar a Alpecin-Deceuninck, com três homens num grupo de treze ciclistas, corria tudo na perfeição à equipa de Mathieu van der Poel, mas o neerlandês não é de correr na roda (nem dos colegas de equipa).

A master class da Alpecin – Deceuninck e o azar de Wout van Aert

No sector 11 (Mons-en-Pévèle) Van der Poel atacou e fez a primeira seleção, reduzindo o grupo da frente a sete ciclistas, apenas aguentaram o ritmo Jasper Philipsen, Stefan Küng, Fillippo Ganna, John Degenkolb, Wout van Aert e Mads Pedersen.

Créditos imagem: Photo News

A Alpecin – Deceuninck continuava com superioridade, e notou-se alguma calma até ao sector 4 (Carrefour de l’Arbre), onde se esperavam os ataques decisivos. Jasper Philipsen comandava o grupo quando Mathieu van der Poel decidiu atacar, desviou a trajetória e numa manobra confusa Degenkolb acaba por cair.

No final do Carrefour de l’Arbre estão na frente isolados Mathieu van der Poel e Wou van Aert, mas neste momento crucial da corrida, Wout van Aert fura a roda traseira da sua bicicleta deixando sozinho na frente van der Poel.

Faltavam 17 quilómetros para o final e apenas 3 sectores, van der Poel voltou a ligar o modo “Beast” e ninguém lhe conseguiu dar caça.

Wout van Aert ainda conseguiu recuperar até ao grupo perseguidor após o furo, descartou todos e perseguiu o líder mas levou na roda Jasper Philipsen, que acabaria terminar segundo, relegando van Aert para o ultimo lugar do pódio.

Créditos imagem: Photo News

No “Inferno do Norte”, hoje a Alpecin Deceuninck subiu ao céu.

TOP 10 final

POS.PaísNome – EquipaTempo
01VAN DER POEL Mathieu Alpecin-Deceuninck05:28:41
02PHILIPSEN Jasper Alpecin-Deceuninck+ 46
03VAN AERT Wout Jumbo-Visma+ 46
04PEDERSEN Mads Trek-Segafredo+ 50
05KÜNG Stefan Groupama-FDJ+ 50
06GANNA Filippo INEOS Grenadiers+ 50
07DEGENKOLB John Team DSM+ 02:35
08WALSCHEID Max Cofidis+ 03:31
09REX Laurenz Intermarché-Circus-Wanty+ 03:35
10LAPORTE Christophe Jumbo-Visma+ 04:11

Vídeo resumo

Corrida feminina

No sábado correu-se a Paris – Roubaix feminina, na qual Alison Jackson (EF Education-TIBCO-SVB) conquistou a maior vitória de sua carreira.

Créditos imagem: EF Education-TIBCO-SVB

A ciclista canadense fez parte da fuga inicial de 18 ciclistas, das quais sete conseguiram permanecer na frente da corrida até ao velódromo, a corrida acabou por se decidir ao sprint.

Créditos imagem: Fenix – Deceuninck

Katisa Ragusa (Liv Racing-Teqfind) e Marthe Truyen (Fenix-Deceuninck) completaram o pódio, pós o sprint no velódromo de Roubaix.

A corrida ficou marcada por algumas quedas, que afastaram da frente algumas das favoritas como Lotte Kopecky (SD Worx) e Elisa Longo Borghini (Trek-Segafredo).

A portuguesa Tata Martins (Fenix – Deceuninck) também acabou por se ver envolvida numa dessas quedas, quando seguia no grupo das favoritas. Ainda assim terminou num meritório 25.º lugar, a melhor classificação de sempre nesta prova.

TOP 10 final

POS.PaísNome – EquipaTEMPO
01JACKSON Alison EF Education-TIBCO-SVB03:42:56
02RAGUSA Katia Liv Racing TeqFind+ 00
03TRUYEN Marthe Fenix-Deceuninck+ 00
04DUVAL Eugénie FDJ-SUEZ+ 00
05BORRAS Marion St Michel-Mavic-Auber 93+ 00
06LACH Marta Ceratizit-WNT Pro Cycling+ 03
07KOPECKY Lotte Team SD Worx+ 12
08GEORGI Pfeiffer Team DSM+ 12
09CONSONNI Chiara UAE Team ADQ+ 12
10VOS Marianne Team Jumbo-Visma+ 12

Vídeo resumo

Por: Luís Beltrão

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do TopCycling.pt. Segue-nos nas várias redes sociais YoutubeInstagramTwitter e Facebook.

Noticias relacionadas

Volta à Suíça – Etapa 5 – Espetáculo de João Almeida

Volta à Suíça – Etapa 5 – Espetáculo de João Almeida

Volta a Portugal 2024 – Já se conhecem as etapas

Volta a Portugal 2024 – Já se conhecem as etapas

Granfondo Portimão 2024 – O ultimo desafio do ano

Granfondo Portimão 2024 – O ultimo desafio do ano

Volta a Suíça – Resumo da Etapa 4

Volta a Suíça – Resumo da Etapa 4

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais