Giro – O que se vê desde a varanda das estrelas?

Giro – O que se vê desde a varanda das estrelas?

Dia de Monte Bondone no Giro de Itália. Rivais de “calças na mão” e um telescópio no topo. Avistaremos o campeão nas Dolomitas?

“Ti Amo” é um espaço de amor à cultura italiana e ao Giro. O comentador Gonçalo Moreira propõe 21 histórias para 21 etapas.

Mais do que um monte, o Bondone é um conjunto de montanhas em plena cordilheira das Dolomitas. Desde o alto avistamos Vale de Ádige e podemos contemplar o firmamento desde a Terrazza delle Stelle – a varanda das estrelas – que é um observatório astronómico com visitas guiadas.

Talvez com os potentes telescópios situados no Bondone consigamos perceber quem vai ganhar o Giro de Itália. Em 2022 bastou um ataque cirúrgico na Marmolada para afundar Richard Carapaz e dar a Jai Hindley e à Bora-Hansgrohe a primeira corrida de três semanas.

Na 16ª etapa o Monte Bondone sobe-se desde Aldeno (21,4 km a 6,7%), vertente estreada em 1973 com vitória de José Manuel Fuente. Asturiano, El Tarangu vivia o auge da carreira após fazer a dobradinha Giro-Vuelta como rei da montanha em 1972. Faltou o Tour para completar a tripla que ao longo da história só Federico Bahamontes e Lucho Herrera fizeram.

A etapa 16 levou o pelotão desde Sabbio Chiese pelas margens lo Lago Garda até ao Monte Bondone.
Créditos: LaPresse

O Bondone dá, o Bondone tira

Introduzida pelo diretor Vincenzo Torriani, em 1956, a subida ao Monte Bondone está para sempre associada a Charly Gaul. O luxemburguês escreveu uma página para a eternidade debaixo de uma tempestade de neve que o obrigou a passar uma hora numa banheira com água quente para recuperar os sentidos.

No ano seguinte Gaul era líder a dois dias do final do Giro e ia tão confiante que encostou para se aliviar. Foi atacado por Louison Bobet e Gastone Nencini. O Giro della pipi foi ganho pelo italiano e provou uma velha máxima: o Bondone dá, o Bondone tira.

Gastone Nencini foi um dos grandes descedores da história e nesse Giro de 1957 beneficiou de uma inovação tecnológica. Trocou de uma bicicleta standard para um quadro desenhado por Ernesto Colnago: “Tinha tanta potência e descia tão bem que fiz um quadro customizado com uma geometria especial que melhorasse a esfabilidade nas descidas e desse maior rigidez para a pedalada.”

Imagens da lendária vitória de Charly Gaul no Monte Bondone em 1956.

Vollering de “calças na mão”

Ganhar grandes Voltas nem sempre é algo elegante. Na alta competição vale tudo menos arrancar olhos e na Vuelta feminina – que se correu na primeira semana de maio – tivemos outro exemplo.

Annemiek van Vleuten mostrou menos pernas do que Demi Vollering na 5ª etapa com final no Mirador de Peñas Llanas (província de Segóvia) e também perdeu nos Lagos de Covadonga. Como é que acabou campeã? Provocando uma bordure ao km 36 da 6ª etapa numa zona de ventos cruzados na Cantábria – que Van Vleuten bem conhece e onde apanhou Vollering de “calças na mão” ao parar para um “xixi” que custou uma Vuelta.

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do TopCycling.pt. Segue-nos nas várias redes sociais Youtube , Instagram , Twitter , e Facebook.

Noticias relacionadas

Volta à Suíça – Etapa 5 – Espetáculo de João Almeida

Volta à Suíça – Etapa 5 – Espetáculo de João Almeida

Volta a Portugal 2024 – Já se conhecem as etapas

Volta a Portugal 2024 – Já se conhecem as etapas

Granfondo Portimão 2024 – O ultimo desafio do ano

Granfondo Portimão 2024 – O ultimo desafio do ano

Volta a Suíça – Resumo da Etapa 4

Volta a Suíça – Resumo da Etapa 4

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais