Equipas do World Tour participaram no Serenissima Gravel

Equipas do World Tour participaram no  Serenissima Gravel

A temporada de ciclismo de estrada está quase a terminar, na altura do ano em que inicia a temporada de ciclocrosse, alguns ciclistas aproveitavam a temporada de ciclocrosse para manter a forma, mas com o Gravel a ficar cada vez mais sério, agora também têm o Gravel!

A chegada ao pelotão profissional de estrada de nomes como Van der Poel, Van Aert ou Pidcock, despertaram cada vez mais o interesse das equipas e ciclistas para a serem multidisciplinares, não fazendo apenas o seu calendário nas provas de estrada.

Além disso, as marcas que apoiam as equipas ganham mais notoriedade numa altura do ano em que não existem tantos eventos de ciclismo.

Serenissima Gravel

Foi neste contexto que nasceu a Serenissima Gravel, a primeira competição 100% de Gravel para ciclistas profissionais. Não são utilizadas bicicletas de estrada na gravilha (como na Strade Bianche), mas sim bicicletas de Gravel de raíz.

Esta corrida foi idealizada por Filippo Pozzatto, o conhecido ciclista italiano campeão da Milan-San Remo e sempre competitivo nas corridas clássicas. A Serenissima Gravel é composta por 132 quilómetros entre o Lido di Jesolo e a Piazzola sul Brenta, maioritariamente por estradas de terra.

Equipas World Tour cada vez mais envolvidas

Foi a EF Education uma das primeiras (senão a primeira) equipas a colocar ciclistas em corridas de Gravel (a EF Education já coloca ciclistas e estrutura de apoio no antigo Dirty Kanza (agora Unbound Gravel) há muito tempo, mas com o desenvolvimento da modalidade e com a UCI a anunciar as intenções de Campeonato do Mundo para 2022, as equipas redobraram a sua atenção para esta vertente do ciclismo.

Na primeira edição do Serenissima Gravel, várias equipas do pelotão profissional decidiram apresentar-se com bons nomes. A Astana (com Lutsenko ou Batistella), a Intemarché-Wanty (com Van der Hoorn ou Van Poppel), e por exemplo a Cofidis com Fernando Barceló e Nathan Haas, que procuraram assim obter um bom resultado na estreia.

Vídeo promocional da Campagnolo com de Nathan Haas (Cofidis) pelas estradas italianas.

A organização do Serenissima Gravel afirma que o seu percurso é mais técnico que a Strade Bianche, mas esta é feita com bicicleta de Gravel em vez de bicicleta de estrada, na qual os pneus podem ser mais grossos e adequados a este tipo de piso.

Vitória para Lutsenko

Falando de competição, Alexei Lutsenko conseguiu a vitória. A 60 quilómetros do fim arrancou e ninguém conseguiu acompanhar o ataque. Nesta Prova a equipa utilizou a Willier Triestina RAVE SLR, a bicicleta de Gravel da marca que apoia a equipa.

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do TopCycling.pt. Segue-nos nas várias redes sociais Youtube , Instagram , Twitter , e Facebook.

Noticias relacionadas

Melgaço candidata-se à organização dos Europeus de XCO em 2025

Melgaço candidata-se à organização dos Europeus de XCO em 2025

Tom Pidcock avalia principais rivais e demonstra ambição no Ciclocrosse

Tom Pidcock avalia principais rivais e demonstra ambição no Ciclocrosse

A história do roubo da bicicleta de Geraint Thomas

A história do roubo da bicicleta de Geraint Thomas

Taça de Portugal de Ciclocrosse – Abrantes

Taça de Portugal de Ciclocrosse – Abrantes

No Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a Newsletter

* Preenchimento necesssário

Escolha a newslwtter que pretende receber:

Categorias de Artigos