O patinho que uniu Rúben Guerreiro e Thomas De Gendt

O patinho que uniu Rúben Guerreiro e Thomas De Gendt

Imagem: Getty Images

É uma obviedade que as redes sociais vieram aproximar os atletas do público, sobretudo quando há momentos de interação genuínos. Thomas De Gendt prepara-se para a 18ª época como profissional, 12 das quais no WorldTour, e antes de partir para estágio com a Lotto-Dstny abriu o livro no Twitter numa sessão de perguntas e respostas com os seguidores.

Imagem: Vanvid Multimedia

De tudo o que disse, uma das histórias mais curiosas envolve Rúben Guerreiro e o Giro de Itália de 2020, onde ambos lutaram pela classificação da montanha – embora tenha sido Giovani Visconti o principal rival do Cowboy de Pegões Velhos.

Perguntado sobre os maillots edição limitada que a EF tem apresentado no Giro, o belga contou que Rúben Guerreiro lhe ofereceu o maillot do patinho por De Gendt ter abdicado de lutar pelos pontos da montanha numa das etapas finais da prova quando matematicamente ainda podia ganhar essa classificação. O gesto é De Gendt em estado puro e mostra que o Cowboy também não lhe fica atrás em carisma.

10 horas para honrar a Milão-Sanremo

Residente na Comunidade Valenciana durante o inverno, é conhecida a paixão de Thomas De Gendt pela Espanha. Na Volta à Catalunha, por exemplo, sente-se em casa e já aí ganhou cinco etapas – ele que é especialista a ganhar em provas WorldTour onde somou 15 das 17 vitórias na carreira.

Há alguns aspetos que se destacam numa trajetória tão longa: ter etapas conquistadas nas três grandes Voltas e em oito das provas por etapas mais icónicas do calendário (exceto Tirreno-Adriático e País Basco).

Poderia Thomas De Gendt ter sido um voltista com ambições de classificação geral se tivesse apostado por esse caminho após o 3º lugar no Giro de 2012?

Teria sido um corredor de top 15 na geral. Mas teria que ter seguido uma dieta estrita e um programa de treino. Não teria ganho o que ganhei e já seria um corredor retirado atualmente”,

responde a um usuário.

Desse sonho cor de rosa e da vitória no Stelvio ficam várias certezas: o ataque não foi planeado e De Gendt não o fez com intenção de ganhar o Giro já que só visava a etapa.

Em grandes Voltas essa não é a única recordação positiva. O belga recordou o Giro de 2014 (ajudou Rigoberto Urán a ser 2º nos tempos da Quick-Step), as Vueltas de 2017 (venceu em Gijón e a Lotto ganhou outras três etapas) e 2018 (foi rei da montanha), além do Tour de 2019 (vitória em Saint-Etiénne e Caleb Ewan a ganhar nos Campos Elísios). “Todas as grandes Voltas têm os seus altos e baixos, mas a maioria foram ótimas”, conclui De Gendt que em 2022 obteve no Tour o triunfo mais emocional da carreira por ter sofrido nos dias prévios.

Thomas De Gendt é diferente. Só um corredor como ele poderia fazer 10 horas e 303km para homenagear a Milão-Sanremo em pleno confinamento pela pandemia. Não há muitos ciclistas com este perfil, mas na hora de apontar o sucessor para fazer sofrer o pelotão o belga encontrou em Brandon McNulty a figura ideal. Terá o americano da UAE a mesma categoria que De Gendt?

Por: Gonçalo Moreira

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do TopCycling.pt. Segue-nos nas várias redes sociais Youtube , Instagram , Twitter , e Facebook.

Noticias relacionadas

Trek Domane SLR 7 | Teste

Trek Domane SLR 7 | Teste

Peter Sagan anuncia final de carreira

Peter Sagan anuncia final de carreira

Maiorca foi talismã para Rui Costa… outra vez

Maiorca foi talismã para Rui Costa… outra vez

Jasper Philipsen pisca o olho a Ivo e Rui Oliveira

Jasper Philipsen pisca o olho a Ivo e Rui Oliveira

No Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a Newsletter

* Preenchimento necesssário

Escolha a newslwtter que pretende receber:

Categorias de Artigos