Como Tata Martins chegou à Fenix-Deceuninck

Como Tata Martins chegou à Fenix-Deceuninck

Diz o ditado que quando se fecha uma porta, abre-se uma janela. Tata Martins não planeou chegar ao WorldTour em janeiro, depois de ficar sem projeto quando a Le Col-Wahoo perdeu 400 mil euros pela falha de um patrocinador.

Numa entrevista que lhe fiz em novembro, a ribatejana dizia nem sequer ter pressa, embora fosse um objetivo a médio prazo.

Só tenho pena de não estar no WorldTour pelo salário mínimo. Prezo muito ter um bocadinho menos de salário e ter uma estrutura top. Conheço atletas que saíram de juniores diretas para o WorldTour, colegas que tinham resultados superiores aos meus; na altura pensava ‘fogo, quem me dera’. Hoje sei que tomei a decisão certa em dar estes passinhos e ir sempre para cima”,

disse ao magazine Super Ciclismo durante um estágio de pré-época em Tenerife.

Philip Roodhooft, proprietário de um império empresarial que investe forte no ciclismo de estrada, mountain bike e ciclocrosse – através de várias equipas – viu a oportunidade de recrutar uma sprinter forte e com vocação para as clássicas do Norte, a essência das equipas que criou.

Uma estrutura única no ciclismo atual

Enquanto estrutura, na órbita do universo Roodhooft há vários planetas: no WorldTour tem equipa masculina e feminina, às quais soma em 2023 formações Continentais criadas para apoiar os planteis principais em momentos específicos da época e permitir rodar atletas de perfil jovem; além da estrada também tem presença forte no ciclocrosse masculino e feminino. Este é um caso único no ciclismo já que todas as formações estão sob alçada da mesma entidade.

Tanto os homens como as mulheres subiram em 2023 ao WorldTour. No caso da Fenix-Deceuninck, tornou-se a 15ª e última equipa de uma divisão finalmente completa após ter sido criada em 2016. Perante as exigências do calendário, Philip Roodhooft viu a oportunidade de fazer um bom negócio e ativou o plano Tata Martins. O staff da equipa neerlandesa foi ao Instagram contactar a atleta. Negócio fechado.

A primeira portuguesa a correr no WorldTour 

Quis o destino que no dia em que pioneira olímpica portuguesa foi anunciada como reforço da Fenix-Deceuninck estava o Topcycling a cobrir o Media Day da Alpecin-Deceuninck em Pedreguer, Alicante. Foi uma feliz coincidência estar a ver o treino de Mathieu van der Poel e conhecer a notícia.

Philip Roodhooft, o CEO da equipa Alpecin-Deceuninck

Estar no sítio certo e na hora exata permitiu-nos conversar com o CEO da estrutura e contar-lhe que Tata Martins é a primeira portuguesa a correr no WorldTour. Ficou surpreendido! Conversa puxa conversa e Philip Roodhooft contou que a tinha no radar há algum tempo e que acredita que a nativa da Moçarria pode crescer à altura do potencial que já mostrou agora que está integrada numa estrutura completa a todos os níveis.

Philip Roodhooft

O que mais surpreendeu Philip Roodhooft foram os bons resultados da atleta num 2022 onde teve que lidar com Covid, lesões e após um período exaustivo de qualificação olímpica onde fez quase tudo sozinha.

Recordemos só alguns dados sobre a temporada passada:

4ª no GP d’Isbergues ganho por Chiara Consonni, 3ª no GP Fourmies batida por Clara Copponi, 5ª na Brugge-De Panne onde venceu a campeã mundial Elisa Balsamo e 6ª no Europeu onde se impôs Lorena Wiebes, a melhor sprinter do mundo. Ao fechar top cinco em De Panne converteu-se na primeira portuguesa a fechar top cinco numa prova WorldTour!

Da Sopela à Le Col-Wahoo e daí à Fenix-Deceuninck. Tata Martins veio de uma espécie de terceira divisão, saltou à segunda e finalmente chega ao topo da pirâmide. Vai correr com as melhores e chega numa fase madura da carreira. Tem tudo para ser feliz.

Por: Gonçalo Moreira

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do TopCycling.pt. Segue-nos nas várias redes sociais Youtube , Instagram , Twitter , e Facebook.

Noticias relacionadas

Trek Domane SLR 7 | Teste

Trek Domane SLR 7 | Teste

Peter Sagan anuncia final de carreira

Peter Sagan anuncia final de carreira

Maiorca foi talismã para Rui Costa… outra vez

Maiorca foi talismã para Rui Costa… outra vez

Jasper Philipsen pisca o olho a Ivo e Rui Oliveira

Jasper Philipsen pisca o olho a Ivo e Rui Oliveira

No Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a Newsletter

* Preenchimento necesssário

Escolha a newslwtter que pretende receber:

Categorias de Artigos